Work in progress no estúdio V

Chegaram! Dois caminhões pararam a rua em um pacato sábado pela manhã.

Não deu pra ser discreto nesta etapa, toda a vizinhança ficou olhando…

Be careful guys!

Primeira máquina entregue.

A próxima, por favor ;)

Agora, olhado as fotos parece que foi fácil, mas a cada declive da calçada parecia que a máquina iria tombar.

Todas as portas foram desmontadas para o pallet passar com a máquina.

O carro palet entrou no estúdio.

Não é um objeto que se pode mudar de lugar a qualquer hora, por isso, tivemos que acertar o lugar da Heidy corretamente.

Mais uma etapa concluída! Próximo passo, limpar as máquinas, baixá-las, pintar a bandeja, montar as mesas, arrumar a iluminação, …

Continua.

Work in progress no estúdio IV

Heidy pronta para partir.

Quando foi adquirida, contratamos um caminhão guincho para buscá-la (veja fotos aqui), mas desta vez foi diferente. Contamos com o help do pai do Aleph. O trabalho ocorreu com uma empilhadeira e tudo foi mais prático.

Parece que é leve, mas esta belezura tem 2 toneladas de pura fofura. Antes de colocá-la no caminhão, foi preciso levantá-la do chão.

O dia de sol também ajudou.

As duas máquinas de tipografia estão prontas para uma curta viagem de 7 km entre o antigo e o novo estúdio.

Novo estúdio: tudo pronto para recebê-las.

Vem logo, vem! ;)

 

Work in progress no estúdio III

Quando nós achávamos que o trabalho pesado já tinha acabado… ele se repetia!
Próxima etapa: a mudança. Começamos levando as gavetas dos cavaletes. Fizemos umas 7 viagens como esta com o carro cheio. Imagina o peso de tudo isso? Acredite, é muito pesado!

Primeiras gavetas. ;)

As nossas colunas… coitadas! Ficamos um caco depois de levantar tanto peso. :/ E isso era só o começo.

Os cavaletes vieram depois, num reboque. Tá ficando bonito, né não?! :D

Continua com a mudança das máquinas…

Work in progress no estúdio II

Continuamos a reforma DIY no estúdio de tipografia. Você já teve ter visto fotos mais atualizadas em nossa Fanpage, Flickr ou Instagram, entretanto o arquivo registrado aqui é necessário para dimensionarmos todo o trabalho.
Depois de pintarmos as paredes, a próxima missão era direcionada para o chão. Repare como o chão estava feio. O antigo locatário era um soldador, o que explica o motivo de tantas marcas.

Ainda tínhamos muito trabalho pela frente…

Yess, chão prontinho! Próxima etapa: entrar com os objetos. E para começar, um toque muito especial e lembrança da infância… um tapete herdado e trazido lá de Rio Negrinho da antiga casa de minha mãe. A casa foi vendida, e assim como a geladeira Frigidaire, e a mesa de costura, estes objetos com valor afetivo farão parte do estúdio da Corrupiola.

Clique na categoria “Estudio” ao lado e você verá todas as etapas desta aventura! ;)